Tamanho da fonte:

O nome do novo cardápio não é por acaso. Além de MIND significar “mente”, em inglês, a alcunha representa também a sigla Mediterranean-DASH Intervention for Neurodegenerative Delay, algo como Intervenção da Mediterrânea-DASH pelo Atraso Neurodegenerativo.

Da mediterrânea, este regime herdou a grande quantidade de peixe, alimentos com gorduras saudáveis, vegetais e grãos integrais. Enquanto isso, a DASH inspirou a MIND com sua riqueza em frutas e outros vegetais, além de laticínios com pouca gordura.

O resultado é um programa alimentar que é supostamente mais fácil de ser seguido e tem gerado bons resultados no combate ao Alzheimer e a outras doenças cardíacas e degenerativas. Grãos integrais, muitos vegetais, uma taça diária de vinho, sementes oleaginosas, carne branca (frango ou peixe) e frutas silvestres não podem faltar no cardápio, ao passo que devem ser evitados alimentos como manteiga, queijo, carne vermelha, doces e comidas fritas ou processadas.

De acordo com um estudo realizado pela Universidade Rush, seguidores da dieta MIND têm 53% menos chance de desenvolver Alzheimer do que aqueles que não adotam o programa. Até mesmo quem não acompanha as orientações à risca levam vantagem, com 35% menos risco.

A pesquisa foi realizada ao longo de cinco anos, com cerca de 900 pessoas, nos Estados Unidos, e foram verificados vários fatores além da alimentação para chegar à conclusão, como as atividades físicas e a educação dos participantes. Leia o artigo original aqui.

Fonte: Luciana Carvalho
Síntese: Equipe Plenae