Tamanho da fonte:

Sentir que você tem um senso de propósito na vida pode ajudá-lo a viver mais, não importa a sua idade, de acordo com pesquisa publicada na Psychological Science, uma revista da Association for Psychological Science.

A pesquisa tem implicações claras para promover o envelhecimento positivo e o desenvolvimento adulto, diz o pesquisador-chefe Patrick Hill, da Carleton University no Canadá:

“Nossas descobertas apontam para o fato de que encontrar uma direção para a vida e estabelecer metas abrangentes para o que você deseja alcançar pode ajudá-lo a realmente viver mais, independentemente de quando você encontrar o seu propósito”, diz Hill. “Então, quanto mais cedo alguém encontrar uma direção por toda a vida, mais cedo esses efeitos protetores podem ocorrer.”

Mas, Hill aponta, quase nenhuma pesquisa examinou se os benefícios do propósito variam com o tempo, como em diferentes períodos de desenvolvimento ou após importantes transições de vida.

Hill e seu colega Nicholas Turiano, do Centro Médico da Universidade de Rochester, decidiram explorar essa questão, aproveitando os dados nacionalmente representativos disponíveis no estudo Midlife in the United States (MIDUS).

Os pesquisadores analisaram dados de mais de 6 mil participantes, concentrando-se em sua finalidade autorreferida na vida (por exemplo, “Algumas pessoas vagam sem rumo pela vida, mas eu não sou uma delas”) e outras variáveis ​​psicossociais que mediram suas relações positivas com os outros e a frequência de experiência com emoções positivas e negativas.

Durante o período de 14 anos de acompanhamento representado nos dados do MIDUS, 569 dos participantes haviam morrido (cerca de 9% da amostra). Aqueles que morreram relatavam menor propósito na vida e menos relações positivas do que os sobreviventes.

Um propósito maior na vida consistentemente previu menor risco de mortalidade ao longo da vida, mostrando o mesmo benefício para os participantes mais jovens, de meia idade e mais velhos durante o período de acompanhamento.

Essa consistência foi uma surpresa para os pesquisadores.

Leia o artigo completo aqui.

Fonte: Association for Psichological Science
Síntese: Equipe Plenae