Tamanho da fonte:

Da próxima vez que você for tentado a cancelar os planos de jantar com amigos para ficar em casa assistindo TV, pense duas vezes. Negligenciar os compromissos sociais a longo prazo faz mal à saúde e encurta o tempo de vida. É o que  afirma a pesquisadora Elissa Epel, diretora do Laboratório de Envelhecimento, Metabolismo e Emoções da Universidade da Califórnia, em São Francisco e coautora do livro O Segredo está nos Telômeros, lançado em 2017 no Brasil, pela Editora Planeta – em parceria com Prêmio Nobel de Medicina, Elizabeth Blackburn.

De acordo com Elissa, parte do envelhecimento é explicado pelos telômeros, as capas protetoras de DNA nas extremidades de nossos cromossomos. Os telômeros mais longos estão associados a “períodos de saúde” mais duradouros – o número de anos saudáveis ​​e de alta qualidade de que desfrutamos –enquanto os telômeros mais curtos à demência, doenças cardíacas e rugas.

Relacionamento social. Embora o estresse e a má alimentação estejam vinculados ao encurtamento dos telômeros, Elissa observa que há também uma correlação entre o comprimento das capas protetoras com a qualidade de nossos relacionamentos. Pergunte a si mesmo quem faz você se sentir positivo e apoiado – esses são os relacionamentos bons para a sua saúde.

“Em pessoas mais velhas, ter maiores níveis de apoio social está associado a telômeros mais longos”, diz ela. “Em estudos com animais, o isolamento social e a exposição ao estresse do ambiente estão associados ao maior encurtamento das capas de proteção do material genético.”

A frequência não é tão importante, mas sim a qualidade dessa conexão. “Uma grande mostra, para um estudo genético revelou que os casais tendem a ter comprimentos de telômeros semelhantes – especialmente se tiverem mais de 70 anos”, diz Elissa. “Isso tem a ver com a convivência e influências comuns, boas e ruins.”

 Sexo. A relação sexual é uma maneira produtiva de passar o tempo, pelo menos do ponto de vista genético. Elissa diz que em um estudo feito com casais casados, aqueles que relataram ser sexualmente íntimos tinham telômeros mais longos do que aqueles que não o faziam.

Embora o autocuidado seja frequentemente associado a ter um tempo sozinho, vale a pena estar com mais com as pessoas, pelo menos às vezes. “Todas as setas apontam para permanecermos socialmente conectados e fazermos coisas que são boas para a sociedade. Nossas células respondem florescendo em vez de adoecerem precocemente”, diz Epel. Leia o artigo original aqui.