Tamanho da fonte:

Há muito tempo venho defendendo a importância do autoconhecimento como um processo libertador. Refiro-me a ter consciência da razão do próprio comportamento, das ações realizadas, das decisões tomadas e a maneira de se colocar na vida. Esse é o jeito de ter controle sobre as escolhas e caminhos a serem percorridos.

As pessoas não podem levar a vida ao acaso, deixando-a sob o comando dos impulsos. Eu costumo dizer que é importante investigar-se, olhar para dentro e perguntar “quem eu sou?”, “quem está lá dentro?”, “quem está no comando e por quê?”.

É fundamental entender o motivo das próprias reações – descobrir a razão de coisas que despertam sentimentos de felicidade, de revolta e de tristeza. “Por que eu deixei isso acontecer?”
Não estou dizendo para ninguém ficar enlouquecido com questões existenciais. Muito menos para não aproveitar o momento para entendê-lo. Por outro lado, os questionamentos, apesar de exaustivos, são muito importantes para o autoconhecimento.

Quem se conhece tem mais facilidade de entender não só as próprias atitudes, como as dos outros também. Por isso, consegue manter um melhor relacionamento interpessoal. Eu acho isso fundamental. Eu cresci muito com o autoconhecimento. Comecei a fazer análise cedo, aos 29 anos, e ela sempre foi muito importante na minha trajetória.
Até hoje faço análise. Conversar com meu analista toda semana é uma forma de tirar alguns momentos para me supervisionar, um verdadeiro exercício de reflexão. Esse foi o caminho que encontrei para saber como estou e como estão as coisas dentro de mim.

Não é obrigatório fazer análise com um terapeuta. Esse foi o jeito que eu encontrei de me conhecer. Há outros caminhos. Não importa o meio que você escolha para chegar lá, contanto que chegue.

Não complique. Se você nunca se autoanalisou, porque vive dizendo que não tem tempo, comece agora. É um processo simples, que exige apenas persistência. Encontre um intervalo do dia para analisar seus atos, principalmente os que saem do padrão comum da sua personalidade. Esse é um dos caminhos para a autoanálise. Garanto que vai fazer diferença na sua vida, como fez na minha.