Tamanho da fonte:

As pessoas não esperam que os idosos se importem com qualquer coisa que não seja sua condição física. Por isso, não se preocupam em desenvolver produtos bonitos e serviços caprichados para esse público. Essa é a opinião do inglês Stephen Johnston, cofundador da Aging2.0, plataforma sediada em São Francisco e dedicada ao desenvolvimento de produtos e serviços inovadores para o mercado sênior. De acordo com ele, a tecnologia é uma aliada na busca por uma velhice melhor. Gadgets e aplicativos, no entanto, não farão milagre se a sociedade não mudar sua visão preconceituosa do envelhecimento. Johnston veio ao Brasil palestrar no XIII Fórum da Longevidade Bradesco Seguros. Do evento, deu a entrevista a seguir ao Plenae.

Como a tecnologia pode melhorar a vida dos idosos?
A tecnologia tem algumas, mas não todas as respostas. Recentemente, dei uma palestra no Google com a nossa “chief elder officer” de 84 anos. Percebemos que pelo Google Maps não conseguíamos encontrar lugares com acessibilidade para cadeira de rodas. Seria fácil melhorar isso com a tecnologia. Também poderiam existir baterias com durabilidade mais longa para GPS utilizado por pessoas com demência. Objetos feitos para idosos precisam ser mais bonitos e discretos.

Por que esses produtos costumam ser feios ou sem graça?
As pessoas muitas vezes não esperam que os idosos tenham emoções e se importem com qualquer coisa que não seja sua condição física. Essa visão é simplista. Qualquer indivíduo, de 20, 40 ou 80 anos, tem necessidades e desejos. O design precisa ter um olhar mais inclusivo.

Quando as novas tecnologias serão aplicadas na nossa vida?
Elas estão chegando. Algumas já estão à venda, como airbags que estouram quando a pessoa cai, prevenindo fraturas, carros sem motorista e casas automatizadas. Nos últimos anos, observamos grandes empresas de tecnologia, como Google e Amazon, desenvolvendo produtos para o mercado. Os primeiros a adotar essas tecnologias devem ser os idosos, porque são os que mais precisam delas.

O que é ageless design ou design sem idade?
Ageless design é um meio de pensar e de agir que tem o objetivo de desenvolver produtos e serviços que possam ser usados por pessoas de qualquer idade e classe social. Trata-se de uma maneira de entender as coisas pela perspectiva dos usuários, muito similar ao conceito de design thinking.

Um problema comum relatado por pessoas idosas é a solidão. A tecnologia pode ajudar a resolver esse problema ou ela cria ainda mais barreiras?
A tecnologia não é boa, má ou neutra. A maioria das tecnologias hoje é feita para engajar pessoas e ter cliques. Muita gente usa aplicativos, mas continua se sentindo solitária. A tecnologia poderia ser útil para facilitar o encontro de pessoas cara a cara ou favorecer o contato entre vizinhos de diferentes idades, por exemplo. Embora os softwares de comunicação por vídeo conectem pessoas, há um perigo de deixarmos de visitar nossa avó porque falamos com ela por Skype, por exemplo. Nós, como sociedade, precisamos mudar a nossa mentalidade, em vez de transferir o problema para a tecnologia.