Tamanho da fonte:

O mercado americano está de olho no público com mais de 65 anos, que deverá representar 72 milhões de consumidores em 2030, ou seja, mais de 20% da população – de acordo com o Departamento de Censo dos Estados Unidos. Mais produtos específicos estão sendo criados especialmente para esses compradores, enquanto o marketing passa a ser recheado de mensagens positivas e inclusivas.

Basta entrar em uma loja de cosméticos para perceber a mudança. Empresas multinacionais como Dove, Olay, L’Oreal e Vichy substituíram antigas expressões como “antienvelhecimento” por “pro age” (pró-idade), “age-defying” (desafiando a idade), “age perfect” (envelheça perfeitamente) e “slow age” (envelheça devagar).

A mudança atinge também a mídia especializada. Por exemplo, Jane Cunningham, fundadora do site britânico beautyblogger.com, usa os termos “idade inclusiva” e “para a pele mais vivida”, quando fala sobre produtos que ela recomendaria para mulheres com mais de 50 anos. Trata-se de uma abordagem mais inclusiva e em oposição à indústria da juventude. Jane acredita que “tratar a idade como algo que precisa ser ‘curado’ é desnecessariamente desmoralizador para qualquer pessoa com mais de 30 anos”.

De bem com os cabelos brancos. Até mesmo a indústria da moda, que construída em cima de tops ninfas-esquálidas, começa a colocar nas passarelas modelos mais velhas. “A linguagem é importante, assim como a representação”, escreve Alyson Walsh, de 53 anos, no seu blog para o The Guardian. ­“Parece que as coisas estão melhorando para as mulheres com mais de 50 anos, mesmo que seja um pouco.” A jornalista afirma estar muito bem com a idade que tem. “Estou deixando crescer meus cabelos grisalhos, abraçando minhas rugas e vestindo o que eu quero. Descobri que a maioria das mulheres da minha idade e mais velhas está mais interessada em parecer bem do que aparentar ser mais jovem; e que não se trata de idade, mas de mentalidade”.

A nova forma positiva de ver o passar dos anos atinge desde produtos até passatempos. Mudar a linguagem sobre o envelhecimento pode, na verdade, ser a única campanha que todos possam apoiar nas redes sociais – que ultimamente virou um campo de batalha, de troca de ofensas para quem pensa diferente. Afinal, estamos todos no mesmo barco, envelhecendo. Leia o artigo completo aqui.

Fonte: Robin Seaton Jefferson
Síntese: Equipe Plenae