Pessoas otimistas vivem mais, diz estudo - Plenae

Pessoas otimistas vivem mais, diz estudo



Os otimistas são mais propensos a viver mais do que aqueles que têm uma abordagem mais negativa da vida, descobriu um estudo americano.

As pessoas positivas eram mais propensas a viver até os 85 anos ou mais.

A teoria é que os otimistas podem achar mais fácil controlar as emoções e, assim, serem protegidos dos efeitos do estresse.

E os pesquisadores disseram que os pessimistas poderiam se beneficiar fazendo coisas como imaginar um futuro em que tudo corre bem.

Pesquisa. O estudo utilizou dois grupos com, no total, mais de 70 mil pessoas recrutadas para diferentes pesquisas. Seus níveis de otimismo foram avaliados, assim como sua saúde geral. Eles também foram questionados sobre exercícios e dietas, bem como quanto eles fumaram e beberam álcool.

Em média, os homens e mulheres mais otimistas tiveram uma vida útil 11-15% mais longa, e foram significativamente mais propensos a viver até 85 anos em comparação com o grupo menos otimista.

Embora se saiba muito sobre os fatores de risco para doenças e morte precoce, muito menos se entende sobre o que os pesquisadores chamam de “fatores psicossociais positivos” que poderiam permitir o envelhecimento saudável.

No entanto, exatamente por que as pessoas otimistas parecem viver mais tempo ainda está em debate, disse Lewina Lee, professora de psiquiatria da Escola de Medicina da Universidade de Boston, que trabalhou no estudo.

“Comportamentos mais saudáveis ​​e níveis mais baixos de depressão apenas explicaram parcialmente nossos achados.

“Provas iniciais de outros estudos sugerem que pessoas mais otimistas tendem a ter metas e confiança para alcançá-las, são mais eficazes na resolução de problemas e podem ser melhores em regular suas emoções durante situações estressantes”, acrescentou.

Para Bruce Hood, presidente da psicologia do desenvolvimento na sociedade da Universidade de Bristol, o estudo apoia evidências existentes dos benefícios do pensamento positivo.

Estresse. Ele acrescentou: “Eu acho que um mecanismo causal poderia ser que os otimistas lidam melhor com o estresse, por evitar a ruminação sobre eventos negativos da vida.

“O estresse afeta o sistema imunológico e, portanto, existe a possibilidade de que isso signifique que os otimistas lidam melhor com as infecções.

“Diversos estudos também associaram o estresse a telômeros mais curtos, um componente cromossômico associado ao envelhecimento celular e risco de doenças cardíacas, diabetes e câncer”.

Fonte: BBC

Leia o artigo original aqui.

Compartilhar: